A Família

Nossa MIssão: Temor, tremor e fé

 

 

         Boa Noite a todos!

        Acabo de chegar de S. Paulo. Deixei o Thomas com a Dedé lá na Beneficência Portuguesa. A internação foi bem demorada, mas valeu esperar, pois eles estão bem alojados, digo, internados. Antes de sair, as escaramuças dos atendentes já haviam começado. Ainda não há nada definido. Deverá haver uma reunião da Equipe do Dr. José Pedro, amanhã, para definir a cirurgia do Thomas. Cá com meus botões acho que deverá ser quarta ou quinta-feira, mas é puro chute de leigo.

        Foi dureza deixar filho e esposa no hospital, outra vez. Não vejo a hora do dia amanhecer para eu voltar para lá. Espero manter essa rotina durante o tempo que isso durar, menos no dia da cirurgia, quando não arredarei pé de lá, de jeito algum.
Muito legal chegar aqui e encontrar recados e curtidas de todos vocês. Serei devedor eterno de todos.
Abraços fortes e beijos nas carecas

 

      Lou Mello

 

About the author

Lou Mello

Fui pai de um cardiopata congênito por 25 anos. Meu filho mais novo, o Thomas Henrique nasceu em 11 de maio de 1988 com dupla via de saída no ventrículo direito, transposição dos grandes vasos na base, estenose da pulmonar com válvula atrésica, CIVs múltiplas e PCA aberto. Passou por três cirurgias, vários cateterismos, um monte de exames e tomou medicamentos a beça. Na primeira cirurgia construiram um Blalock, na segunda uma Emy Fontan cavo pulmonar e na última fizeram a correção total, com implante de uma válvula pulmonar humana dissecada. Após a cirurgia ficou internado na UTI por dez dias, quando faleceu, no dia 20 de abril de 2014, a 21 dias de completar 25 anos. Claro que o considero meu filho para sempre, onde quer que ele esteja, agora. Nosso trabalho com ele terminou, mas ele nos deixou a missão de apoiar os cardiopatas congênitos enquanto vivermos. Esse é o meu propósito principal de vida, enquanto viver.

Leave a Comment