Projeto Coração Valente

Atenção total em relação às Infecções Hospitalares

Anjinho Azul
Anjinho Azul


Tão importante quanto a cirurgia, cardiologista clínico, o cirurgião, o intensivista, um infectologista sempre à mão e o hospital escolhidos, a questão das infecções hospitalares é vital no caso das cirurgias cardíacas, sobretudo para os cardiopatas congênitos. Meu filho, foi infectado quando estava na UTI para o tratamento pós operatório e, com toda a certeza, esse foi o gatilho que tirou a vida dele, quando estava internado na lá. O hospital (Beneficência Portuguesa de São Paulo) teve a desfaçatez de não mencionar esse “detalhe” na declaração de óbito dele, certamente para evitar processos de nossa parte. A meu ver, esse é um hospital a ser evitado, em caso de cirurgia de cardiopatas congênitos, bem como em todas as outras.

Você verá a recomendação em mais esse estudo, para que o paciente seja internado na UTI em regime de isolamento, como forma de prevenção contra as infecções hospitalares. Lute com todas as suas forças para que essa recomendação seja cumprida no seu caso ou do familiar cardiopata congênito a ser submetido à cirurgia cardíaca.

Infecções hospitalares crescem até 57% no verão, mostra estudo da Unesp

CLÁUDIA COLLUCCI
DE SÃO PAULO

02/01/2014 02h45

A incidência de algumas infecções hospitalares aumenta até 57% no verão, segundo estudo da Unesp (Universidade Estadual Paulista) de Botucatu, interior de SP.

A pesquisa envolveu 5.000 exames de sangue de pacientes internados no HC de Botucatu com infecção sanguínea, geralmente associada ao uso de cateteres. Desses, 1.500 tinham infecções adquiridas dentro do hospital.

Após testes estatísticos, os pesquisadores identificaram que as bactérias gram-negativas, principais causadoras de infecção hospitalar, têm comportamento sazonal.

No caso das bactérias do gênero Enterobacter, responsáveis por infecções respiratórias e urinárias, o aumento de casos foi de 57% entre outubro e março em relação ao período de abril a setembro.

Já os casos de Acinetobacter baumannii, bactéria causadora de infecções graves e resistentes a antibióticos, tiveram crescimento de 41% no período mais quente.

“Ela, ao lado da KPC, é o terror das UTIs”, diz o infectologista Artur Timerman, do Hospital Edmundo Vasconcelos, em São Paulo.

Segundo Carlos Magno Fortaleza, professor da Unesp e orientador do trabalho, para cada 1º C a mais na temperatura média mensal, aumentou em 13% a incidência da Acinetobacter.
prevenção

A pesquisa é resultado da tese de doutorado da enfermeira Silvia Caldeira e será publicada como artigo científico na edição deste mês da revista “Infection and Hospital Epidemiology”.

O estudo sugere que as campanhas de prevenção da infecção hospitalar ocorram no verão, entre dezembro e março, e não em maio, como acontece hoje.

As campanhas orientam sobre a importância da lavagem correta das mãos (com água e sabão ou usando álcool-gel) e do controle da infecção hospitalar com isolamento de pacientes.

Segundo Timerman, a preocupação com as infecções por bactérias multirresistentes é tamanha que já existe uma proposta internacional de colocar em unidades de isolamento todos os pacientes de UTI, mesmo que eles não estejam infectados.

“É uma medida extrema, já que as soluções mais simples, como a higiene adequada das mãos, continuam falhando”, diz o infectologista.

SAZONALIDADE

São várias as hipóteses que podem explicar a sazonalidade das infecções hospitalares, segundo Carlos Fortaleza, da Unesp.

Entre elas está a possibilidade de algumas proteínas da bactéria se expressarem mais no verão, tornando-a mais agressiva. Como há mais umidade no verão, isso pode favorecer a proliferação dos micro-organismos.

O fato de as bactérias aumentarem a capacidade de invadir tecidos corpóreos quando expostas a temperaturas altas também levaria ao aumento das infecções.

Outra hipótese já levantada em outros países é o chamado subdimensionamento de enfermagem, ou seja, poucas enfermeiras cuidando de muitos pacientes. “Pode haver descuido na lavagem das mãos ou na observação de isolamento dos pacientes”, diz Fortaleza.

Ele afirma que ainda existe a possibilidade de os profissionais de saúde trazerem as bactérias –mais abundantes no ambiente externo– em suas mãos ou roupas quando chegam ao hospital.

A próxima etapa do estudo será analisar dados de hospitais de outras regiões do país para verificar se nesses locais há sazonalidade semelhante à verificada no Hospital das Clínicas de Botucatu.

Editoria de Arte/Folhapress

 

Fonte: Jornal Folha de São Paulo

CV_LOGOANI

3 thoughts on “Atenção total em relação às Infecções Hospitalares

    1. Paula
      Já havia lido sua mensagem anterior e estava pensando sobre seu caso.
      Como você trabalha em um centro de cardiologia, vejo vantagens e desvantagens. Se eu tivesse uma cardiopatia, preferiria não trabalhar em um lugar assim, desde que pudesse sustentar meu tratamento, de alguma forma.
      Em minha opinião, você precisa de um bom clínico cardiologista, com bom conhecimento e experiência em cardiopatias congênitas. O contato com um possível cirurgião deverá ser coordenado pelo clínico.
      Esse tem sido o nosso critério aqui no Pro. Corações Valentes e, creia, temos razões de sobra para agir sob esse princípio.
      Agora, creio que você precisa, mesmo, dar prioridade máxima para com esse seu diagnóstico.
      Espero que tudo sai muito bem. Mantenha-nos informados.
      Deus te abençoe.
      Lou Mello

    2. Leilane

      Tudo bem com vocês?
      Pois é, temo que a maioria passa seu calvário nesses procedimentos. Pessoal precisa evoluir nos cuidados necessários para evitar tantos problemas que poderiam ser evitados. Já bastam o problema clínico do paciente. Né?
      Estaremos orando por vocês.

      Abraço
      Lou Mello

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *