Defeito do Septo Átrio Ventricular

anjinhoani
O que significa defeito do septo átrio ventricular?

É uma má formação cardíaca, cuja incidência  é, em geral, cerca de 3% das cardiopatias congênitas. Está associada, geralmente, aos portadores da Síndrome de Down e caracteriza-se pela associação entre comunicação inter-atrial, comunicação inter-ventricular e defeitos das valvas átrio-ventriculares

Qual é a causa?
Esta relacionada em mais de 50% dos casos com anomalias cromossômicas (Síndromes genéticas em especial a Síndrome de Down).

Como afeta o coração?
Caracteriza-se, basicamente, por aumento do fluxo sanguíneo para o pulmão, manifestando-se precocemente nas primeiras semanas de vida.

Como esta circunstância afeta a criança?
A criança apresenta cansaço durante as mamadas, com sudorese intensa, palidez e dificuldade em ganhar peso.

Esta condição pode ser remediada?
Sim. Pode ser corrigida. O tratamento é realizado com cirurgia, devendo ser realizado antes do 6º mês de vida para evitar a complicação mais importante a nível pulmonar, pois causa hipertensão pulmonar irreversível quando não corrigido.

O que a criança pode fazer?
Após a realização da correção cirúrgica, as crianças ficam assintomáticas (sem os sintomas anteriores) e apresentam melhora no ganho de peso e podem realizar suas atividades normais.

O que os pais devem fazer?

Antes da correção cirúrgica:

Consultas freqüentes com o cardiologista e o pediatra.
Administração correta da medicação.
Cuidados com as mamadas, respeitando o cansaço da criança.

Após a cirurgia:

Manter consultas periódicas com o cardiologista, com exames de controle.
Cuidado extremo com o tratamento dentário.

CV_LOGOANI

3 thoughts on “Defeito do Septo Átrio Ventricular

  1. ESTE PROBLEMA ATRIOVENTRICULAR ESTA ASSOCIADO AO NIVEL MAIS ELEVADO DE SINDROME DE DOWN? E TODOS TEM A INDICACAO PRA CIRURGIA? OU EXISTE ALGUNS QUE NAO E NECESSARIO FAZE-LA?

  2. Meu bebe tinha essa cardiopatia, fez aos 5 meses estava ganhando peso normal, (7kg) na cirurgia estava saudavel, mas não resistiu a cirurgia, não entendo isso… ele faleceu em 17/07/2017

    1. Ivonete

      Obrigado por compartilhar com nosso pessoal a sua experiência.
      Infelizmente não há esclarecimento completo e bem claro sobre o risco a que essas crianças serão submetidas, na maioria dos casos cirúrgicos.
      Também sabemos que são raros os hospitais onde essas cirurgias acontecem capazes de oferecer o melhor em todas as etapas. Além da própria cirurgia, isolamento e UTI adequada, sem pacientes com outras enfermidades, sobretudo os portadores de infecções, com espaço para manter a mãe e/ou um parente sempre presente com o paciente. A presença de intensivistas e infectologista durante 24 horas na recuperação, bem como anestesista e pneumologista, além dos cardiologistas. Fora a necessidade de fisioterapeutas e outras especialidades. Já ouvi médicos reclamarem da falta de aparelhos vitais e/ou em funcionamento ideal.
      Essa é a nossa realidade. Muitos pais e parentes hoje estão arrependidos por terem permitido o procedimento cirúrgico e terem perdido seus entes queridos.
      Deus te console com intensidade.
      Lou H. Mello

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *